quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Lá fui eu

Ontem eu pensei em como faria um mural do bom comportamento para colocar no quarto dos meninos pra incentivá-los a cumprirem suas tarefas, pois bem, passei um tempão pensando nisso, eis que São Pedro nos presenteia , na hora de buscá-los com aquela baita chuva! Acionamos o Papai, ele foi nos buscar, mas, trânsito! Chegamos em casa tarde, cansados, e eu totalmente sem pique pra confeccionar um mural e explicar as regras das coisas. #Prontofalhei, rs

Banho quentiho, jantar, conversa séria com o papai, cama...
Ritual de sempre, ajeita as cobertas direitinho, naninhas (fraldinha de pano) ao lado, bichinhos de pelúcia, tiramos os brinquedos de circulação (sim nós somos ruins, hehehe) e oração pro papai do céu, 3 musiquinhas e beijinhos de boa noite.

E não é que eles dormiram antes das musiquinhas? Cantei mesmo assim, gosto tanto!

Entrei em choque! Não que eu esteja reclamando, mas parece que eu sou uma grande metirosa não é mesmo? 3 dias reclamando pro Marco do trabalho que eles estavam dando na hora de dormir e no dia que o papai está junto eles dormem antes que eu cante a primeira canção de ninar??? Assim, tão fácil, sem pedirem água, sem reclamar? Sem levantar no escuro pra pegar mais um brinquedinho? INACREDITÁVEL

Ele ficou todo orgulhoso né? Nem preciso dizer que ele ficou dizendo que foi só por causa da presença dele... hunf.
Acho que eu devo admitir, presença do pai faz diferença sim!

Vejo mulheres se descabelando porque acabam ficando com tudo que se refere à criança pra elas e os homens nada de ajudar, mas quando resolvem fazer alguma coisinha, a coisa flui muito bem, deixando as mamãe com aquela cara de quem comeu e não gostou.

A verdade meninas é que os filhos são maravilhosos, nós os amamos e eles nos amam, mas como em qualquer realcionamento, algumas coisas cansam. E a autoridade da mãe fica desgastada.
Porque é a mamãe quem está ali em todos os momentos, mandando ir pro banho, dando comida, carinho, brinca, dá broncas, coloca na cama, enfim... Por mais presente que seja o papai, e por mais que ele ajude, é claro que a mamãe está sempre muito mais dedicada aos filhotes e quando o papai assume a tarefa, as crianças levam a coisa como novidade, fazem questão de comportar-se bem para o papai! E é uma delícia né?

Eu tive a sorte de me casar com um homem que ajuda bastante, embora ultimamente tenha trabalhado até mais tarde, ele faz o tipo paizão!
Mamães, conversem com seus maridos sobre essa questão do desgaste da autoridade da mãe e peçam ajudinha de vez em quando. Garanto que eles se sentirão como um super herói em ação!

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Vale a pena ler de novo!

Estava lendo o blog que eu acabei abandonando http://contosemfadas.wordpress.com, e li um trechinho de um texto que achei a cara desse blog aqui, lá vai ele:


"Eu encaro a maternidade como uma profissão. Tem que se dedicar, estudar, buscar novos métodos, reavaliar atitudes, buscar aprimoramento pessoal, e lutar pelo sucesso. É extremamente difícil, educar é a coisa mais importante do mundo, e a mais complicada!
Quero deixar homens decentes, equilibrados, sensíveis e conscientes, para o nosso planeta e para as mulheres que terão o prazer de encontrá-los!
Ser mãe é coisa séria! É COISA PRA MACHO!
E eu, muito consciente de minhas falhas, estou buscando, tentando, travando uma luta interna entre como sou e como devo ser em relação aos meus pimpolhos. Sou brava, rígida em certos pontos e estou domando minha natureza e buscando maneiras mais suaves de educar…
E assim, mães guerreiras, vamos indo, trocando idéias, pensando em como educar as melhores pessoas do mundo, aqueles que construirão o futuro e resgatarão aquilo que as gerações anteriores destruíram."

Beijinhos!

A arte de colocar crianças na cama...

Sempre coloquei os meninos na cama sem muitas dificuldades, antes aliás, era até um pouco mais fácil...
Esses dias eles tem dado um trabalhinho, não sei se é por conta da Anita (nossa gatinha adotada há uma semana), ou se é por outra coisa qualquer, o fato é que eu os coloco pra dormir, faço aquele ritual de sempre: xixi, dente, água e cama, mas eles vem com estórias, pegam brinquedos no escuro, pedem água de cinco em cinco minutos dizendo que estão com sede... ontem surtei! Pelo segundo dia consecutivo eles estão indo dormir ás 22:00! E eu? e minha casa, meu jantar, meu banho? Como fica? Tive conversa séria com eles ontem, não sei se resolveu bem, mas faremos hoje um mural do bom comportamento, ele será semanal e incluirá algumas coisas que eu quero que eles façam e como recompensa por bom comportamento, terão o direito de escolherem um passeio legal para o final de semana.

Será que vai dar certo?
Durante nossa jornada como mãe, vamos bolando uns truques meio malucos, inventando coisas novas para sair dessas situações e ajudar os baixinhos a realizarem suas tarefas, e aos poucos alinhando aquilo que está fora dos trilhos.
Dormir cedo, no horário, é prioridade máxima lá em casa. Eles acordam muito cedo, passamos o dia fora de casa e precisamos, eles e eu, de descanso! Eles vão pra cama, e eu ainda tenho a segunda rodada, com casa, cozinha e marido! Não é mole não!

Amanhã eu contocomo foi fazer o mural e se deu certo!

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Minhas considerações sobre o livro: "Grito de guerra da mãe tigre"

Ganhei esse livro de amigo secreto, sugestão minha, queria ler fazia tempo. Terminei ontem...
Tiveram momentos que pensei em como a autora era boa mãe, como era valente enfrentando opiniões diversas e críticas quanto ao seu método de educar e como eu poderia aplicar alguns métodos dela com os meus fihotes. Em outros momentos fiquei pasma, com o choque entre culturas, com a agressividade e a imposição de coisas que poderiam ser mais maleáves.
Fim do livro, fechei e pensei em começar a ler novamente...

Não darei crédito a educação oriental e nem a ocidental, gosto de coisas nas duas formas de educar, e não existe, insisto em dizer sempre, simplesmente não existe método bom para se educar um filho, á exemplo da autora mesma, que com duas filhas, uma se deu bem com o método dela e com a outra foi uma tragédia!

Sei o que é ter dois filhos próximos um do outro, sei o que é ter um irmão que recebe educação diferente da sua... não sei o que dá certo, sei apenas das coisas que quero tentar. Independente de críticas que recebo, de pessoas que me dizem que está errado, o que é certo então?

Educação é um tema complicado, controverso, polêmico e gostoso! Existem opiniões diferentes sobre esse tema em qualquer profissão e em qualquer família.

Sou brava, sou rígida, prefiro assim, meus pais não preferem, me criticam, não gostam do meu método, mas eu gosto, essa é a mãe que eu sou e que eu quero ser. Leio, estudo e me planejo pra isso!
Amy (autora do livro) escolheu o método chinês, ela escolheu, enfrentou muitas críticas pesadas, suas filhas e teve algum sucesso, as próprias filhas admitem isso... Acho que o que Amy fez merece sim nosso respeito e silêncio. Cada mãe decide a forma como pretende educar seus filhos e ninguém tem o direito de julgá-las.
Algumas atitudes de Amy eu não concordo, não tomaria como padrão para minha família, como não dar a criança a chance de escolher nada, não ter individualidade e nem brincar com outras crianças, quanto a isso, prefiro o jeitinho ocidental de respeitar a individualidade da criança e oferecer ambientes lúdicos e com outras crianças, enfim, gosto assim;
Agora, quanto à obediência, respeito e regras, o jeitinho oriental ganha em disparada no meu conceito. Porque pra mim, criança tem que ter regra, tem que ter limites bem definidos e não podem gritar com os pais, nem ofender, nem nada disso! As regras devem ser respeitadas e algumas decisões não cabem as crianças, mas sim aos pais. Isso pode até ser chamado de imposição, pra mim é a linha tênue que define uma criança educada e outra que faz o que quer...
Impor certas coisas, em certas idades é sim crucial.
Hora de dormir, roupa para vestir, alimentação, estudo, coisas assim não são moedas de troca, nem negociáveis, é o que pai e mãe fala e ponto final.

Eu nivelava meus filhos, com o medo terrível de tratá-los de forma diferente e depois crescerem falando que a mãe amava mais um do que o outro, que fazia isso pra um e não pro outro... nisso eu errei! Confesso que essa nivelação é ainda mais danosa que a diferença entre as crianças. Hoje vejo que cada um é de um jeito, e merecem ser tratados com essa diferença sendo levada em consideração.

Gabriel aceita a conversa, espera uma explicação e eu a dou, deixo claro porque ele deve fazer certas coisas, ele faz manha, mas vai, em geral numa boa, é fácil conduzir e tirar ele da manha, demorei pra sacar o jeito do Gabriel, pois ele é orgnizado demais, criterioso demais, me irritava, ele é simplemente diferente de mim, precisei entender e aceitar isso para achar uma forma de lidar com seu jeitinho tão metódico e tão diferente do meu!
Felipe é genioso, não adianta conversa e quando ele surta, eu tento acalmá-lo, quando não dá, eu me igualo, ultrapasso, choco, ele entende e baixa a guarda. Parece uma luta, mas com o Felipe é assim, e ninguém o conhece melhor que eu, e ninguém sabe lidar com ele melhor que eu, somos iguais.

O grito de guerra da mãe tigre é um livro que toda mãe deveria ler. é bom para analisarmos certas atitudes, enxergar métodos diferentes e adotar o que nos parece melhor.


Beijinhos da mamãe tigrinha!

Mãe é isso!: Felipe

Mãe é isso!: Felipe: Felipe, do grego, aquele que gosta de cavalos. Não sei de onde tiraram isso, mas taí uma verdade, Felipe simplemente ama cavalos, até imit...

Mãe é isso!: Gabriel

Mãe é isso!: Gabriel: Gabriel, do hebraico, enviado de deus. Ele é calmo, flexível, sério, compenetrado e doce. Tem 4 anos, um virginiano pra lá de especial,...

Anita

Foi assim, numa conversa com minha cunhada sobre gatos que ela me disse que eu deveria ter um...

Sempre gostei de bichinhos, embora verdade seja dita, minha mãe quem cuidava de todos os que eu inventava de levar pra casa...
Casei, tinha minha casa, meus filhos e resolvi dar um cachorrinho pra eles... fui enganada, o cachorrinho de porte pequeno estava crescendo e era uma coisa de doido! Agitadinho ele, bem parecido com os meus filhos... me mudei e o cachorro teve que ir embora...
Agora, casa menor, filhos maiores (Gabriel 4 anos e Felipe 3, farei uma aba depois para cada um deles), resolvi tentar de novo!

Fui com minha cunhada Denise no pet shop, adotei uma gatinha, linda, cinza de olhos azuis! Arteira, carinhosa, doce, muito doce!
Trouxe para nossa casa algo que estava faltando. Me apaixonei por ela!
Gabriel e Felipe também, brincam, fazem carinho e perseguem a gata! Coitada, ela bem que gosta e eles disputam quem a pega primeiro, e ela ali, saltitando e ronronando nos faz feliz!

Depois eu posto uma foto dela!